Bem vindo ao site da SPEA - sociedade portuguesa para o estudo de aves

Opções do site

Subscrever Newsletter

Outras opções do site

Pesquisar no site

Data actual

Principais opções do site

Novembro 2017
D
S
T
Q
Q
S
S
 
 
 
1
3
5
6
7
8
9
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
27
28
29
30
 
 
A Nossa Missão
A SPEA é uma ONG de ambiente sem fins lucrativos, que tem por missão trabalhar para o estudo e a conservação das aves e seus habitats, promovendo um desenvolvimento que garanta a viabilidade do património natural para usufruto das gerações futuras.
Home  > Estudo e Conservação > Projetos > Linhas Elétricas-Continente > Prospeção e monitorização
imprimir

Prospeção e monitorização
A metodologia de campo

O método base é a prospeção de aves mortas sob troços selecionados de linhas aéreas de transporte de energia, com recolha e identificação das espécies e causa de morte.
É realizada a procura vestígios de mortalidade de aves num corredor de aproximadamente 20 m de largura sob a linha e em redor de cada apoio num raio de 10 m, para avaliar a colisão e num raio de 5 m à volta de cada apoio, para avaliar a mortalidade por eletrocussão.

Esta amostragem é realizada em 4 períodos ao longo do ano, de modo a encontrar espécies de aves com diferentes fenologias:
Invernada (dezembro/janeiro), Reprodução (março/abril), Dispersão (maio a julho) e Migração (setembro/outubro).



O tratamento de dados
Os cadáveres encontrados em bom estado são encaminhados para o CERAS (Quercus, Castelo Branco) sendo realizada uma necrópsia - exame post mortem para identificação de causa de morte e recolha de biometrias, sexagem, idade, etc.. Os vestígios de aves mortas – penas ou ossos - são recolhidos para validação de identificações com guias próprios, coleções de penas /plumoteca ou na Osteoteca (Laboratório de Arqueozoologia do IGESPAR, Lisboa).


Avaliação da perigosidade das linhas
Os troços amostrados são classificados relativamente à sua perigosidade tendo em consideração os dados recolhidos, desde a mortalidade verificada de espécies prioritárias a linhas inseridas em habitats prioritários ou com concentrações relevantes de espécies prioritárias.

Critérios
A. Linha ou troço inserida numa ZPE ou IBA
B. Linha ou troço com mortalidade confirmada de espécies prioritárias (SPEC I e II ou classificadas de CR, EN ou VU do Livro vermelho de Vertebrados)
C. Linha onde ocorreu repetição de morte de espécies prioritárias no mesmo ano
D. Linha ou troço inserido em local onde existem importantes concentrações, colónias ou ninhos de espécies acima referidas
E. Linha ou troço que atravessa habitats favoráveis e/ou prioritários para as espécies prioritárias.

Critérios extra
B.1 Linhas ou troços que além da mortalidade confirmada de espécies prioritárias, provocou a morte de outras espécies da Diretiva Aves
C.1 Nº aves prioritárias mortas no total de visitas efectuadas


A aplicação de medidas de minimização nas linhas elétricas e respetiva monitorização
Vários tipos de medidas corretoras nas linhas elétricas têm sido aplicadas pela EDP-Distribuição visando:
1. Evitar a eletrocussão em apoios de média tensão

Mangas isoladoras de silicone nos isoladores e fios condutores para proteção contra a eletrocussão, têm uma eficácia de cerca de 89-93% nas tipologias em triângulo.






2. Minimizar a colisão em linhas de alta e média tensão - diferentes tipos de sinalização de linhas






Vários tipos sinalizadores em avaliação, da esq. para a dir, BFD’s(Bird Flight Diverter): espirais simples vermelhas /brancas, espirais duplas vermelhas /brancas, FBF’s (Firefly Bird Flapper’s): tipo rotativo e tipo fita.


Fotos: © Julieta Costa e Carla Veríssimo







Política de privacidade, adicione aos favoritos, sugira este site © 2010 spea - Todos os direitos reservados.
Seara.com