Bem vindo ao site da SPEA - sociedade portuguesa para o estudo de aves

Opções do site

Subscrever Newsletter

Outras opções do site

Pesquisar no site

Data actual

Principais opções do site

D
S
T
Q
Q
S
S
 
 
 
1
2
3
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
19
20
22
27
29
30
31
 
A Nossa Missão
A SPEA é uma ONG de ambiente sem fins lucrativos, que tem por missão trabalhar para o estudo e a conservação das aves e seus habitats, promovendo um desenvolvimento que garanta a viabilidade do património natural para usufruto das gerações futuras.
Home  > Como Ajudar > Voluntariado > Ações de Campo
imprimir

Ações de Campo

Aqui encontra todas as informações de que necessita para colaborar em projetos de censos de aves, mas também em outros trabalhos de campo, e participar num verdadeiro processo de ciência cidadã/citizen science. E se quiser partilhar os seus conhecimentos, porque não realizar ações em Áreas Importantes para as Aves (IBA) ou colaborar como guia de saídas de campo ou apadrinhar um observador menos experiente


Semanas de campo Life Berlengas 
O projeto LIFE Berlengas «Conservação das espécies e habitats ameaçados da ZPE das Berlengas através da sua gestão sustentável» (2014-2018) vai contribuir para a gestão sustentável da Zona de Proteção Especial (ZPE) das Berlengas, através da conservação dos seus habitats, plantas endémicas e populações de aves marinhas. Pretende-se estudar e reduzir as ameaças às aves marinhas e habitats (ex. controlo de plantas invasoras), promover a utilização sustentável dos recursos, nomeadamente pesca e turismo sustentáveis (ex. requalificação de trilhos) e preparar um plano de gestão sustentável para a ZPE das Berlengas. O projeto é coordenado pela SPEA, em parceria com o Instituto da Conservação da Natureza e Florestas (ICNF), a Câmara Municipal de Peniche, a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e tem como observador externo a Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar, do Instituto Politécnico de Leiria.

Para cumprir os objetivos do projeto, é necessário muito trabalho no terreno, estando planeadas diversas semanas de campo ao longo do ano, em que a colaboração de estagiários e voluntários é muito bem-vinda. As tarefas a realizar diferem consoante a semana de campo, podendo incluir remoção de plantas invasoras (ex. chorão), monitorização de aves marinhas (em ninhos naturais e/ou artificiais), de mamíferos introduzidos e/ou de flora nativa.
O trabalho será realizado em equipas de 5-10 pessoas (staff, estagiários e voluntários), sendo assegurados o alojamento (em casa conjunta, sendo promovida a divisão de tarefas por todos), alimentação, viagem Lisboa – Berlengas – Lisboa (incluindo viagem de barco Peniche-Berlengas) e seguro.

- Datas 2017: 14 a 28 Nov | 5 a 12 Dez
- Local: arquipélago das Berlengas, ao largo de Peniche
- Requisitos: disponibilidade durante pelo menos 1 semana, resistência física adequada às funções, facilidade de adaptação a ambientes insulares isolados e a convivência durante quase 24h/dia com um pequeno grupo de pessoas (em trabalho de campo e casa)
- Recomendações: levar calçado e roupa adequados e suficientes, saco-cama, frontal, etc
- Responsável: Nuno Oliveira
- Saiba mais: www.berlengas.eu | testemunhos - diário de bordo das Berlengas
 
Inscrições
Envie um mail para nuno.oliveira[arroba]spea.pt,com o assunto «Voluntariado_Berlengas», indicando a(s) semana(s) de campo em que gostaria de colaborar e os seus dados: nome completo, data de nascimento, número de identificação (BI ou CC), email e número de telemóvel. 



  • Censos de Aves
Dias RAM - Censos de Aves Marinhas | todo o ano 
A Rede de Observação de Aves e Mamíferos Marinhos (RAM) iniciou-se ao largo das costas Cantábricas e Galegas tendo sido alargada a toda a Península Ibérica, incluindo a costa portuguesa e os arquipélagos da Madeira e Açores. Este projeto de contagem simultânea tem como objetivo o estudo das aves marinhas em toda a península e assim melhorar o conhecimento e conservação das espécies de aves que podem ser observadas no Atlântico. Uma das principais ações da Rede RAM é a organização de «dias de observação de aves marinhas» – os Dias RAM. Nestes dias os observadores distribuem-se em diferentes locais da costa, no mesmo horário, para registar todas as passagens de aves, registando dados como a espécie, a direção de voo, idades dos indivíduos, entre outras.
Neste projeto é muito importante a colaboração de voluntários que conheçam bem as aves marinhas, mas também de colaboradores que auxiliam a contagem, preenchendo as fichas de campo - por vezes passam tantas aves que o observador não tem tempo para apontar...

- Próximas datas (para 2017): 4 março, 1 abril, 6 maio, 3 junho, 8 julho, 5 agosto, 2 setembro, 7 outubro, 4 novembro, 2 dezembro
- Horários: 8h às 11h - out. a abr. | 7h às 10h - maio a set.
- Local: Portugal Continental – cabo S. Vicente (Sagres), Faro (ilha do Farol), Sines, cabo Espichel (Sesimbra), cabo Raso (Cascais), cabo Carvoeiro (Peniche), Praia da Vagueira (Vagos); Madeira – Porto Moniz; Açores - S. Miguel e Corvo.
- Requisitos: capacidade de identificação das aves marinhas mais comuns (preferencial); meios de transporte próprios (preferencial)
- Responsável: Ana Isabel Fagundes, Assistente do Departamento de Conservação Marinho
- Página do projeto Dias RAM

Inscrições
Envie um e-mail para isabel.fagundes[arroba]spea.pt, indicando o seu nome, email, número de telemóvel, local e datas nas quais tem disponibilidade para colaborar, bem como a função para a qual se voluntaria:
1) Observador principal – e-mail com o assunto «Voluntariado_RAM_principal»
2) Observador auxiliar – e-mail com o assunto «Voluntariado_RAM_auxiliar»

 

Noctua-Portugal (Monitorização de Aves Noturnas) | 1 dez - 15 jun
No âmbito das atividades do Grupo de Trabalho de Aves Noturnas da SPEA (GTAN), nasceu o Noctua-Portugal | Programa de Monitorização de Aves Noturnas em Portugal, que se iniciou com um primeiro ano de ensaio em 2009/10 e arrancou definitivamente na época de 2010/11. A metodologia é simples: cada quadrícula (UTM 10x10 km) deverá ser visitada três vezes por ano após o pôr do sol, realizando-se 5 pontos de escuta passiva de 10 minutos em cada visita à quadrícula. Se possível, o voluntário fará a amostragem das suas quadrículas nos anos seguintes, podendo ser responsável por mais do que 1 quadrícula.

- Datas: 1 dezembro a 15 de junho
  » Sul - 1 dezembro a 15 janeiro (visita 1); 1 março a 15 de abril (visita 2); 1 a 31 maio (visita 3) 
  » Norte - 15 dezembro a 31 janeiro (visita 1), 15 março a 30 de abril (visita 2); 15 maio a 15 junho (visita 3)
- Duração: 3 visitas à quadrícula ao final do dia;
- Local: quadrícula UTM 10x10 km a combinar;
- Requisitos: capacidade de identificação auditiva de aves noturnas (preferencial); modo de deslocação próprio
- Responsáveis: coordenação do GTAN - Inês Roque, Ricardo Tomé e Rui Lourenço

Inscrições
Envie um e-mail para nocturnas[arroba]spea.pt,com o assunto «Voluntariado_GTAN» indicando o seu nome, email, número de telemóvel e local em que tem disponibilidade para colaborar.


III Atlas das Aves Nidificantes de Portugal | 15 mar - 30 jun
A SPEA, o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, o Laboratório de Ornitologia da Universidade de Évora, o Serviço do Parque Natural da Madeira e várias outras organizações que se juntarão ao projeto, vão avançar em 2015 com os trabalhos de campo do III Atlas das Aves Nidificantes de Portugal. Os trabalhos, que decorrerá entre 2015 e 2018, começam já no dia 15 de março e todos estão convidados a participar!

Este novo projeto surge da necessidade de, dez anos depois do anterior atlas das aves nidicantes, fazer-se um novo levantamento completo da distribuição e abundância das aves reprodutoras em todo o território nacional . A iniciativa irá também contribuir para o 2.º Atlas Europeu das Aves Nidificantes, para a atualização da Lista Vermelha das Aves de Portugal e para o relatório nacional da Diretiva Aves.

Mais informações e inscrições

Foto: Pisco-de-peito-ruivo | Faísca


Censo de Aves Comuns (CAC) | 1 abr - 31 mai
O CAC tem como principal objetivo a monitorização anual das tendências populacionais das aves mais comuns e seus habitats em Portugal e a sua utilização como indicador do estado geral da biodiversidade. A amostragem é feita com base em quadrículas UTM 10x10 km. Após uma visita inicial para seleção definitiva de 20 pontos de escuta/observação, cada quadrícula deve ser visitada duas vezes durante a primavera (em abril e maio, com um intervalo mínimo de 30 dias entre ambas). Se possível, o voluntário fará a amostragem das suas quadrículas nos anos seguintes, podendo ficar responsável por mais do que uma.

Se possui alguns conhecimentos de identificação de aves, junte-se a nós na próxima primavera!

- Datas: abril - primeira visita à quadrícula; maio – segunda visita;
- Duração: aproximadamente duas manhãs por ano
- Local: quadrícula a combinar (Portugal Continental, Açores e Madeira).
- Requisitos: capacidade de identificação visual e auditiva das espécies de aves mais comuns; meios de transporte próprios
- Responsável: Domingos Leitão, Coordenador do Programa Terrestre/Departamento de Conservação
- Página do projeto CAC


Inscrições
Envie um e-mail com o assunto «Voluntariado_CAC» para vanessa.oliveira[arroba]spea.pt, indicando o seu nome, email, número de telemóvel e a região (especifique distrito ou concelho, se necessário) na qual tem disponibilidade para colaborar.

 

XI Censo de Milhafres e Mantas | abril 2017 - Madeira e Açores
O censo de uma das aves mais emblemáticas dos Açores e da Madeira é coordenado anualmente pela SPEA. O milhafre/queimado Buteo buteo rothschildi (subespécie açoriana) ou a manta Buteo buteo harterti (subespécie madeirense) só ganharão asas com a ajuda dos voluntários. Os dados a recolher são simples – escolha um percurso a pé, de carro ou de bicicleta, e registe todos os milhafres/mantas que observar.
Aproveite o fim de semana para dar um passeio, com amigos ou familiares e aceite o desafio - seja cientista por um dia e participe nas contagens!

Mais informações
- Datas: abril 2017 (12ª edição) - datas por anunciar
- Local: arquipélago dos Açores e da Madeira
- Requisitos: qualquer pessoa pode participar, bastando saber reconhecer um milhafre/manta
- Responsável: Rúben Coelho (Açores); Laura Castello (Madeira)

Inscrições e contactos
- SPEA-Açores/Rúben Coelho: acores[arroba]spea.pt; 914 212 449
- SPEA-Madeira/Laura Castello: madeira[arroba]spea.pt; 967 232 195 


Projeto Arenaria – Distribuição e Abundância de Aves nas Praias e Costas de Portugal | 1 dez - 31 jan
O Projeto Arenaria é uma parceria entre a Unidade de Investigação em Eco-Etologia (ISPA – Instituto Superior de Psicologia Aplicada), Museu Nacional de História Natural e Ciência e a SPEA. Pela primeira vez, em 2009/10, foi possível determinar a distribuição e a dimensão das populações de aves que ocorrem na costa durante o inverno, colmatando-se a falta de conhecimento da importância da faixa costeira portuguesa para as aves invernantes.
A metodologia é simples e cada voluntário ficará responsável pelas contagens numa (ou mais) quadrícula UTM 5x5 km.

- Datas: 1 dezembro a 31 janeiro
- Local: quadrícula(s) a combinar
- Requisitos: capacidade de identificação de aves costeiras
- Website do Projeto Arenaria

Inscrições
Contactos para inscrição no website do Projeto Arenaria.

 

Projeto Chegadas | 1 dez - 31 mar
O projeto Chegadas nasceu em 2003, no âmbito do Noticiário Ornitológico da SPEA, para reforçar o conhecimento sobre a chegada primaveril ao território continental das espécies migradoras estivais. A médio prazo, o projeto pretende caracterizar padrões e tendências plurianuais nas chegadas das espécies-alvo.

A metodologia está assente no envio, por parte de observadores que voluntariamente nos enviam os seus registos de chegada das espécies. Os registos devem ser enviados à equipa coordenadora, e incluir a seguinte informação: espécie, data, local e concelho (relativamente à primeira observação da espécie em causa nesse local).

- Datas: pede-se atenção especial aos observadores, entre dezembro e março
- Local: qualquer, em Portugal Continental
- Requisitos: capacidade de identificação de aves migradoras
- Responsável: Carlos Godinho (novo coordenador)
- Página do Projeto Chegadas

Inscrições
A participação é livre, não sendo necessária inscrição.
Contacto da equipa coordenadora: chegadas[arroba]spea.pt.


Contagens de Aves no Natal e Ano Novo (CANAN) | 15 dez - 31 jan
O objetivo principal das CANAN é o seguimento das tendências populacionais das espécies de aves invernantes nos campos agrícolas de Portugal, através do uso de uma metodologia simples. Se for para o campo nesta época do ano e visitar zonas predominantemente agrícolas ou agropastoris, pedimos que realize um percurso de contagem para registo de todas as aves não passeriformes, corvídeos e picanços que observar. Este percurso, a propor pelo voluntário, pode ser de dimensão variável e ser realizado de carro, bicicleta, a pé ou outro meio. Se possível, o voluntário repetirá o mesmo percurso nos anos seguintes.
Se tem saudades de ir para o campo no inverno e tem uma manhã livre, esta é a oportunidade que espera por si!

- Datas: 15 dezembro a 31 janeiro
- Duração: aproximadamente uma manhã por ano.
- Local: Percurso a combinar (Portugal Continental).
- Requisitos: capacidade de identificação da maioria das aves não passeriformes e de corvídeos e picanços; meios de transporte próprios
- Responsável: Domingos Leitão, Coordenador do Programa Terrestre do Departamento de Conservação da SPEA
- Página do projeto CANAN

Inscrições
Envie um e-mail com o assunto «Voluntariado_CANAN» para vanessa.oliveira[arroba]spea.pt, indicando o seu nome, e-mail, número de telemóvel e a localização do percurso proposto (ou indicação de zona onde poderá fazê-lo).


Censos de grous | dez 2016 - jan 17
Pelo terceiro ano consecutivo, a SPEA participa no censo anual de grous Grus grus. O trabalho de campo envolve a contagem simultânea de grous em várias zonas do Alentejo (e.g. Campo Maior, Mourão, Évora), já conhecidas como zonas de invernada destas aves no nosso país, em dois dias diferentes. As contagens são feitas ao final da tarde, ficando cada observador responsável por um ponto de contagem em 1 ou nas 2 datas do censo. O projeto necessita agora do apoio voluntário de novos observadores experientes, sendo que os menos experientes também se podem juntar para ajudar e aprender. 

- Local: vários locais do Alentejo interior (Arronches/Campo Maior/Alburquerque, Évora, Mourão/Villanueva del Fresno, Moura, Campo Branco) 
- Datas: 16 a 18 dez 2016 | 20 a 22 jan 2017  
- Horário: 15 h às 18 h
- Requisitos (para observadores principais): capacidade de identificação e contagem de grous (isolados e em grandes bandos); binóculos e meio de transporte próprio e.g. veículo todo-o-terreno (preferencial para acesso a alguns pontos de contagem)
- Saiba mais sobre esta espécie aqui 

Inscrições e contactos: 
Contacte-nos indicando o seu nome, email, número de telemóvel e data(s) as datas em que tem disponibilidade para colaborar, a/C Carlos Miguel Cruz (Kau): ccruzkau@spea.pt; 968 092 353.


Censo de milhafre-real | janeiro 2017
O milhafre-real Milvus milvus é uma das aves de rapina mais ameaçadas de Portugal, com uma população reprodutora Criticamente Em perigo (CR) e uma população invernante Vulnerável (VU), com efectivos oriundos do norte da Europa. Este censo tem por objetivo estimar a população invernante de milhafres-reais na Europa, através da contagem de indivíduos em dormitórios, e tem contado com a participação de inúmeros voluntários em vários países da Europa central desde 2015. Em Portugal, este censo é uma organização conjunta da SPEA, LPN, ATN, CEAI, Quercus e ICNF.

- Datas 2017: 14 a 22 de janeiro
- Local: Portugal continental (nota: contagem de indivíduos em dormitórios)
- Responsável: Julieta Costa, Assistente do Departamento de Conservação Terrestre 
- Saiba mais: Página do Censo de milhafre-real

Inscrições:
A participação é livre, autónoma, e dependente da disponibilidade dos voluntários. Contacte-nos indicando o seu nome, email e número de telemóvel a/C Julieta Costa (julieta.costa@spea.pt; 919 466 574), para que lhe seja atribuído um dormitório conhecido. 



Foto © Joaquim Antunes


  • Trabalhos de campo
Campanha Salve uma ave marinha | Madeira, out a nov
A poluição luminosa é uma ameaça para as aves marinhas, em especial na época em que os juvenis abandonam os ninhos. Estas aves são atraídas pelas luzes, levando à colisão com edifícios, linhas elétricas e veículos. A campanha “Salve uma Ave Marinha” surgiu devido à presença de aves marinhas, no arquipélago da Madeira, com distintos estatutos de conservação, e que continuamente são afetadas pela iluminação pública. Assim, a SPEA, com o apoio de diversos parceiros, organiza "brigadas de salvamento" com patrulhas diárias, em que os voluntários deverão percorrer as áreas definidas, recolher as aves encontradas (com o kit "Salve uma ave marinha") e libertá-las num sítio junto ao mar e pouco iluminado.

Outras informações
- Datas 2016: 17 out - 17 nov
- Local: arquipélago da Madeira
- Blogue do projeto

Inscrições
Contactos para inscrição no Blogue do projeto


Projeto Linhas Elétricas e Avifauna
A SPEA tem desenvolvido parcerias com a EDP-Distribuição, a Empresa de Eletricidade da Madeira (EEM) e a Eletricidade dos Açores (EDA), e com outras entidades, visando a monitorização e redução dos impactos resultantes da interação entre as aves e as linhas elétricas de média tensão. No âmbito destes projetos, necessitamos da colaboração de voluntários para as ações de prospeção de aves mortas por eletrocussão ou colisão, em terrenos atravessados por linhas elétricas em diversas regiões. A atividade compreende percorrer a pé trajetos sob o traçado de linhas elétricas, sendo necessário ter resistência física, mas não é necessário ter experiência de identificação de aves, pois cada voluntário será acompanhado por uma colaborador com experiência. Sempre que possível, as despesas relativas a refeições e alojamento, serão asseguradas pela SPEA e os voluntários terão direito a um seguro de acidentes pessoais. Nos trabalhos de campo no continente, as deslocações são geralmente efetuadas na viatura da SPEA.

- Datas: a anunciar. Subscreva a SPEA online para ficar a par das novidades
- Local: Algarve, Centro e Norte de Portugal
- Duração: variável (1-5 dias consecutivos)
- Requisitos: resistência física adequada para a realização de longos percursos a pé, em terreno por vez acidentado. Levar roupa e calçado adequados ao terreno e à estação do ano.
- Responsáveis: Rui Machado (rui.machado[arroba]spea.pt)
- Inscrições: A qualquer momento poderá contactar os responsáveis pelos projetos, indicando os seus contactos (nome, e-mail e telemóvel), bem como disponibilidade. Será contactado quando as novas saídas de campo forem agendadas.


  • Projetos anteriores
Censo e biologia reprodutiva de Fura-bardos | Madeira, fev-jul 2016
A decorrer desde 2013, o projeto LIFE Fura-bardos visa a recuperação do habitat desta espécie, assim como o aumento do conhecimento acerca da sua ecologia e distribuição. Os trabalhos a desenvolver preveem a realização de percursos dentro de áreas florestais para recolha de informação acerca do fura-bardos assim como indícios da sua nidificação. Os trabalhos decorrerão em estradas florestais, levadas e veredas expostas e que por vezes são escorregadias. O transporte e todo o material necessário para a realização dos trabalhos será disponibilizado pela SPEA. Mais informação sobre o projeto em http://life-furabardos.spea.pt/pt/

- Datas: entre Fevereiro e Agosto 2016
- Local: Madeira
- Requisitos: idade superior a 16 anos, não sofrer de vertigens e ter resistência física adequada 
- Recomendações: levar calçado adequado, roupa quente, impermeável, farnel e água. 
- Responsável: Marta Nunes 
  
Inscrições
Envie um mail para madeira[arroba]spea.pt,com o assunto «Voluntariado_Fura-bardos» ou telefone para 291 241 210 / 967 232 195, indicando o seu nome completo, data de nascimento, email e número de telemóvel.


LIFE RUPIS | Campo de Trabalho Voluntário Internacional: Construção de Campo de Alimentação de Aves Necrófagas - Mogadouro, 3 a 13 agosto

No âmbito do Life Rupis, a Palombar, um dos parceiros deste projeto coordenado pela SPEA, vai organizar o Campo de Trabalho Voluntário Internacional: Construção de Campo de Alimentação de Aves Necrófagas (CAAN). As tarefas incluem o apoio na construção de uma vedação de postes e rede, recuperação de alguns muros de pedra e instalação do o portão da entrada, de modo a criar um recinto totalmente fechado e seguro e vão contribuir para a fixação do britango (o abutre mais ameaçado da Europa e uma das espécies-alvo do projeto) na região. 

Mais informações e inscrições através do website da Palombar.


III Atlas do Priolo | 27 junho - 2 jul
O Priolo (Pyrrhula murina) é uma espécie que apenas pode ser encontrada na ilha de São Miguel (Açores – Portugal), nos concelhos do Nordeste e Povoação. Apesar da evolução favorável registada nos últimos anos, o Priolo é uma das aves em maior risco de extinção na Europa, uma vez que depende da vegetação natural dos Açores (Laurissilva) que está gravemente reduzida e ameaçada pela invasão de inúmeras espécies.
Cientistas e conservacionistas definiram como prioritária, para garantir uma melhor actuação em termos de conservação da espécie, a determinação da distribuição exata, densidade populacional e preferências de habitat do Priolo. Deste modo, para aumentar o conhecimento da espécie, validar os dados anteriores e corrigir o atual esquema de monitorização, foi decidido organizar e executar um censo detalhado único – uma “fotografia” da ocupação efetiva, densidade, preferências de habitat e a presente área de distribuição do Priolo. Para tal ser possível é necessária a participação de quase 50 voluntários que realizam o Atlas em toda a área de distribuição mundial do Priolo. Os dados obtidos permitiram ter uma informação mais correta de toda a área de distribuição e uma estimativa mais robusta da população. 

Para garantir um bom acompanhamento da espécies, este importante trabalho de monitorização deve ser repetido de 4 em 4 anos. Em 2016 vai decorrer a terceira edição do Atlas do Priolo. A edição deste ano vai decorrer 27 de junho a 2 de julho. Se estiver interessado em participar numa experiência de campo inovadora, ajudar a salvar uma ave emblemática, misteriosa e rara, e desfrutar das paisagens insulares de São Miguel – junte-se a nós em junho!

- Datas: 27 de junho a 2 de julho (3ª edição ) 
- Local: arquipélago dos Açores (Nordeste e Povoação)
- Requisitos: qualquer pessoa pode participar.
- Responsável: Rúben Coelho
- Página do III Atlas do Priolo

Inscrições e contactos
- SPEA-Açores/Rúben Coelho: acores[arroba]spea.pt (coloque no assunto “III Atlas do Priolo”); 914 212 449



Nota: substituir [arroba] por @.
Fotos: 
Alcatraz © Pedro Geraldes; Milhafre Buteo buteo © Joaquim Teodósio; Colaboradora do projecto CAC © Ricardo Martins; Mocho-galego © Faísca; Abibe © Faísca; Poupa © Faísca; Prospeção de linhas elétricas no Parque Nacional da Peneda-Gerês © Nuno Luz.

 






Política de privacidade, adicione aos favoritos, sugira este site © 2010 spea - Todos os direitos reservados.
Seara.com