Bem vindo ao site da SPEA - sociedade portuguesa para o estudo de aves

Opções do site

Subscrever Newsletter

Outras opções do site

Pesquisar no site

Data actual

Principais opções do site

Setembro 2017
D
S
T
Q
Q
S
S
 
 
 
 
 
1
4
5
6
7
8
11
12
13
14
18
19
20
21
22
24
25
A Nossa Missão
A SPEA é uma ONG de ambiente sem fins lucrativos, que tem por missão trabalhar para o estudo e a conservação das aves e seus habitats, promovendo um desenvolvimento que garanta a viabilidade do património natural para usufruto das gerações futuras.
Home  > Estudo e Conservação > Censos > Projecto Chegadas
imprimir

Projecto Chegadas

Introdução


O projeto “Chegadas” nasceu em 2003, no seio do projeto “Noticiário Ornitológico” da SPEA, para reforçar o conhecimento sobre a chegada Primaveril ao território continental de algumas espécies estivais. O projeto pretende, a médio prazo, caracterizar padrões e tendências plurianuais nas chegadas das espécies escolhidas.
A metodologia está assente no envio, por parte de observadores voluntários, de registos de chegadas. O veículo de comunicação entre os observadores e a equipa do projeto é, por um lado, o “mailing-list” do Noticiário Ornitológico SPEA para a divulgação dos resultados e por outro lado o endereço chegadas[arroba]spea.pt, para onde os observadores enviam os seus registos.
Em 2008 largou-se o conceito de espécies principais e secundárias, iniciado em 2007 com o alargamento do número de espécies. Neste momento pretende-se recolher dados sobre todas as espécies migratórias de igual forma, sem restrições.
Para este efeito foi criada uma base de dados em Access, que permite de forma facilitada o registo de todas as observações, incluindo os registos de indivíduos invernantes de espécies migratórias, como é o caso das diversas andorinhas, garças, codornizes etc.
Um dos aspetos particulares deste projeto é a importância de uma deteção precoce da espécie após a real chegada ao território. O inevitável intervalo que vai entre a chegada e a sua deteção é-o em função das características mencionadas das espécies em estudo, mas também a abundância dos observadores e a sua motivação para enviar dados.
É registado a data, local e concelho da primeira observação recebida. As observações são classificadas como invernantes, precoces, regulares, tardias e repetidas. Como invernantes entende-se aves cuja observação difere muito dos registos habituais para a região. Com observações precoces e tardias entende-se uma observação na qual o intervalo entre a real chegada e a observação é significativo.
O projeto Chegadas foi inscrito e aceite no European Phenology Network, sendo o sexagésimo projeto europeu neste Network. - ver mais


Resultados Obtidos
Os resultados do projeto estão representados nos relatórios Chegadas, com uma análise individual para as principais espécies.

- Relatório 2012
- Relatório 2011
- Relatório 2010
- Relatório 2009
- Relatório 2008


10 Anos de Projecto Chegadas
O projeto Chegadas fez dez anos de vida em 2012. Um marco notável e neste momento é um dos projetos avifaunísticos nacionais ativos de maior longevidade. É um projeto que se enquadra na categoria de Citizen-Science. Conta com duas centenas de colaboradores voluntários todos os anos e tem permitido criar um quadro de referência no que diz respeito às datas de chegada da maioria das espécies migratórias que nidificam em Portugal Continental. Em dez anos, fizemos mais 7400 registos de 70 espécies.

Dez anos também é um momento para parar para refletir um pouco. Verificámos que a representatividade dos dados para grande parte das espécies é baixa e dificilmente serviam para apurar tendências plurianuais ou diferenças regionais. Por outro lado, o projeto mostrou que há bases sólidas para uma análise detalhada das tendências plurianuais de um grupo representativo de espécies da avifauna Portuguesa. Estas espécies já são abrangidas por outros projetos e servem para vários indicadores relevantes.

Dito isto, foi decidido restringir o número de espécies abrangidas pelo projeto. Queremos concentrar os esforços num total de 11 espécies migradoras, sobre as quais queremos recolher dados suficientemente sólidos para poder concluir sobre tendências das suas chegadas a Portugal Continental. Vamos promover a recolha ativa por parte dos observadores, para reforçarmos a quantidade de dados disponíveis, nas mais diversas formas. Vamos recorrer à Internet e as redes sociais para esse efeito, sem descurar a fonte ainda mais importante de dados: o envio direto por e-mail.

Queremos pôr a chegada dessas 11 espécies “no mapa de Portugal”, literalmente. E para tal, precisamos dos observadores voluntários, que queiram contribuir para um projeto relevante nos estudos de aves de Portugal. Precisamos que de nos enviem os vossos primeiros registos de espécies estivais, e que estejam particularmente atentos às 11 espécies escolhidas para seguimento Para tal, basta enviar um e-mail para chegadas[arroba]spea.pt, indicando a espécie, a data, o local e concelho. Ou então, que introduzam esses dados no PortugalAves.

As 11 espécies escolhidas para a XI campanha de projeto Chegadas são:
Merops apiaster - Abelharuco
Milvus migrans - Milhafre-preto
Cuculus canorus - Cuco-comum
Streptopelia turtur - Rola-brava
Apus apus - Andorinhão-preto
Riparia riparia - Andorinha-das-barreiras
Cecropsis daurica - Andorinha-daurica
Luscinia megarhynchos - Rouxinol-comum
Oriolus oriolus - Papa-figos
Lanius senator - Picanco-barreteiro
Hippolais poliglota - Felosa-poliglota

Contamos convosco!
Carlos Godinho - Coordenador projeto Chegadas - SPEA


Nota: onde está [arroba], deve-se escrever @
Fotos: Abelharuco © Faísca; Andorinha-das-barreiras © Tina Chaves.







Política de privacidade, adicione aos favoritos, sugira este site © 2010 spea - Todos os direitos reservados.
Seara.com