Bem vindo ao site da SPEA - sociedade portuguesa para o estudo de aves

Opções do site

Subscrever Newsletter

Outras opções do site

Pesquisar no site

Data actual

Principais opções do site

D
S
T
Q
Q
S
S
 
1
2
3
4
5
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
24
25
28
29
30
31
 
 
 
A Nossa Missão
A SPEA é uma ONG de ambiente sem fins lucrativos, que tem por missão trabalhar para o estudo e a conservação das aves e seus habitats, promovendo um desenvolvimento que garanta a viabilidade do património natural para usufruto das gerações futuras.
Notícias


Cinco filmes de aves


No primeiro dia do Festival de Cannes o nosso sócio João Rodrigues desafia-o para uma sessão de cinema especial. Prepare as pipocas e descubra estes cinco filmes em que as aves têm um papel principal.

“Filmes com pássaros há muitos, seu palerma!”, dir-me-ia Vasco Leitão, personagem d'”A Canção de Lisboa” interpretado por Vasco Santana. Depois de lhe explicar que pássaro não é o mesmo que ave, responder-lhe-ia que concordo, e que o que me interessa são filmes de ficção em que aves de espécies reais são personagens principais. Seleccionei cinco destes filmes para partilhar consigo.

Os filmes estão ordenados do mais antigo para o mais recente. Para cada um deixo apenas um “teaser”, que ver um filme dá mais gozo quando se sabe pouco sobre ele.

1. Os Dois Indomáveis
Kes, 1969, Ken Loach, Reino Unido, M/12

Billy é um rapaz que vive numa cidade mineira inglesa. É um enjeitado, maltratado por todos. Um dia, numa quinta abandonada, descobre um ninho de peneireiro (Falco tinnunculus). Leva a cria para casa e começa a interessar-se por falcoaria. Um retrato da classe operária britânica, característico da obra de Ken Loach.







2. Storm Boy
1976, Henri Safran, Austrália, M/6

Mike, um rapaz de 10 anos, vive isolado com o seu pai, um pescador, numa praia perto da povoação de Goolwa e do Parque Nacional de Coorong – locais reais, localizados na costa sul da Austrália. Numa das suas deambulações conhece Fingerbone, um aborígene, e tornam-se amigos. Juntos resgatam três pelicanos-australianos (Pelecanus conspicillatus, a única espécie de pelicano nativa da Austrália) recém-nascidos, cujo progenitor foi morto por caçadores, e Mike cria-os em casa.

É interessante ver, no início do filme, cisnes-pretos (Cygnus atratus) no seu ambiente natural, pois por cá os cisnes que podemos observar são quase sempre animais de cativeiro (na maioria cisne-mudo Cygnus olor), que encontramos em jardins e outros habitats artificiais. No estado selvagem são espécies acidentais no nosso território.




3. A Marcha dos Pinguins
La marche de l'empereur, 2005, Luc Jacquet, França, M/6

Acompanhamos a vida de um grupo de pinguins-imperadores (Aptenodytes forsteri) no agreste ambiente a que chamam casa, a Terra Adélia, na Antárctida francesa. Ganhou o Óscar de melhor documentário de longa-metragem, mas eu considero-o uma docuficção, pois os pinguins “falam” (diálogos sobrepostos às imagens).



4. Rio
2011, Carlos Saldanha, EUA/Brasil, M/6

Nesta longa-metragem de animação, Blu é um macho de ararinha-azul (Cyanopsitta spixii), espécie endémica do Brasil, que é levado para os Estados Unidos da América por traficantes de animais. Aí, Blu é encontrado e criado por uma rapariga, Linda. Anos mais tarde, um ornitólogo brasileiro pede a Linda que leve Blu ao Rio de Janeiro para que se reproduza com Jewel, a última fêmea da espécie – uma referência à situação de conservação actual desta espécie, que está possivelmente extinta na natureza.




5. Piper
2016, Alan Barillaro, EUA, M/6

Uma cria de pilrito-das-praias (Calidris alba) sai do ninho pela primeira vez. Mas o mar é assustador! Este pequeno filme ganhou o Óscar de melhor curta-metragem de animação em 2017.

Não é de ficar admirado que num filme americano apareça esta espécie, pois ela também existe por lá. Mais, é uma das poucas aves que ocorre, sem intervenção humana, em todo o mundo. Para conhecer a situação da espécie em Portugal, no Inverno de 2015/16 realizou-se o Censo Nacional de Pilritos-das-praias, associado ao Projecto Arenaria, que convido a conhecer e participar.




O elefante (ou ave-elefante) na sala
Nos filmes com aves é frequente serem usados animais treinados. “Os Dois Indomáveis” e “Storm Boy” são dois exemplos; refira-se também “Os Pássaros”, “A História de Fernão Capelo Gaivota”, “A Mulher Falcão” ou “Dois papagaios aventureiros”. É correcto usar animais para nosso entretenimento? Valerá a pena, se estes filmes levarem mais pessoas a gostar de aves e, assim, a estar mais preocupadas com a sua conservação? Por outro lado, temos o problema de alguns animais actores serem maltratados. Será que a solução passa por substituir completamente os animais reais por imagens geradas por computador? São questões que devemos ponderar, mas podem estragar-nos uns quantos filmes...


Crianças e aves

O tema da relação entre crianças e aves, mais precisamente crianças que criam aves, é recorrente no cinema. É o caso de “Os Dois Indomáveis” e “Storm Boy”, e também de “Voando para Casa” e “Brothers of the Wind”. Em todos eles as vidas dos protagonistas são enriquecidas pelas aves. Bonito, mas ficção? Nada disso, as aves tornam mesmo a vida mais interessante!

Bons filmes!

14 de maio de 2019

O autor não segue o Acordo Ortográfico de 1990







Política de privacidade, adicione aos favoritos, sugira este site © 2010 spea - Todos os direitos reservados.
Seara.com