O nosso principal conselho é interferir o mínimo possível na natureza, mas se vir uma ave que precisa mesmo de ajuda, aqui ficam as nossas recomendações.

 

Nunca mantenha uma ave em cativeiro; a posse de aves selvagens é ilegal.

 

Clique para ir direto ao que fazer nestas situações:

Ave ferida

Ave marinha debilitada

Andorinhão (“andorinha”) no chão

Cria no chão

Destruição de ninhos de andorinha

5 crimes contra o ambiente e como denunciá-los

 

 

Testemunhou um crime contra o ambiente? Denuncie-o:

Portugal continental – SEPNA/GNR: 808 200 520 ou www.gnr.pt/ambiente.aspx

 

Madeira – SEPNA/GNR: 291 214 460

Açores – Linha SOS Ambiente: 800 292 800

 

 

Encontrou uma ave ferida ou que precisa de ajuda?

 

Entrega de animais feridos ou que precisam de ajuda

 

 

Animal que deu à costa

 

 

O que fazer se encontrar um andorinhão no chão?

 

A primeira opção é entregar o animal ao SEPNA ou ao centro de recuperação mais próximo. Se não conseguir encaminhar a ave em tempo útil, então siga estes passos:

 

  1. Verifique se a ave não consegue mesmo voar (coloque-o num lugar alto, como um parapeito, do qual ela possa “descolar” no sentido descendente);  nunca a atire ao ar!
  2. Caso esteja demasiado fraco para voar, deve ser mantido numa caixa meio-aberta e ventilada, de plástico ou cartão, com as dimensões mínimas de uma caixa de sapatos, que deve ser forrada com papel absorvente, evitando a todo o custo que a ave suje as penas nos dejectos; limpe a caixa frequentemente
  3. O andorinhão deve ser alimentado e hidratado, insistindo ao passar alimento vivo junto dos ‘bigodes’ e molhar o dedo para que a ave consiga beber. Pode encontrar alimento nas lojas de animais, de caça e pesca: gafanhotos, zofobas, tenébrios, asticô, papa para aves insectívoras. O andorinhão é um insectívoro puro. Nunca lhe dê ração para animais, minhocas ou comida para canários. É importante não lhe dar outro tipo de comida que não seja o adequado e não forçar a ave a engolir o alimento;
  4. Quando a ave estiver mais forte e desenvolvida, e já numa caixa maior para poder exercitar os músculos das asas, escolha um dia com pouco movimento na rua (nunca à noite ou ao fim do dia), um local o mais alto possível e com algum vento. Agarre a ave com as duas mãos e, com um movimento ascendente, solte-a e esta irá bater as asas rapidamente e começará a planar.

 

 

Como ter um jardim amigo dos passarinhos?

 

Todos os jardins têm biodiversidade, mas existem algumas pequenas dicas que ajudam a torná-lo ainda mais acolhedor. Siga as nossas dicas:

 

  • Evite aplicar pesticidas e herbicidas
  • Disponibilize alimento, especialmente se o inverno for muito rigoroso
  • Disponibilize água em bebedouros ou em taças, onde as aves possam beber e banhar-se em dias quentes
  • Nunca remova ou danifique os ninhos de andorinha. Se não o desejar, procure antes dissuadi-las de nidificar nos mesmos loais antes da sua chegada, colocando tiras de plástico ou cordéis em todo o comprimento do beiral
  • Crie cavidades no seu telhado onde as aves, como os andorinhões e os pardais, possam entrar e nidificar
  • Coloque caixas-ninho em locais pouco expostos, selecionando preferencialmente modelos mais simples e fabricados com materiais naturais, como a madeira e a cortiça. Poderá encontrar alguns modelos na loja da SPEA
  • Evite podar as árvores, sebes e arbustos durante a primavera
  • Aumente a diversidade da vegetação plantando diferentes plantas aromáticas, plantas de floração intensa ou que produzam frutos ou sementes, árvores de fruto e arbustos, evitando sempre espécies potencialmente invasoras como o Incenseiro (Pittosporum undulatum)
  • Aumente a diversidade da estrutura do seu jardim, mantendo faixas de vegetação espontânea ou não cortadas em relvados e alternando zonas de vegetação densa com clareiras
  • Nota: Os alimentadores, bebedouros e as caixas-ninho devem ser colocados em locais fora do alcance de predadores – principalmente gatos.

 

 

Estão a destruir ninhos de andorinhas. Isto é legal?

 

É possível os proprietários removerem os ninhos de andorinha mediante um pedido de autorização para o efeito ao Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF), que indicará o período em que os ninhos podem ser removidos.

 

Este período, salvo algumas exceções, é fora da altura de nidificação. Na altura em que as andorinhas estão a construir os ninhos e têm crias, é proibido remover os ninhos. Se souber de alguém que quer remover ninhos de andorinha, sugerimos que comece por tentar dissuadir a pessoa. Pode dizer-lhe que, para evitar que o espaço debaixo do ninho fique sujo, pode instalar uma espécie de caleiras próprias, que se colocam por baixo dos ninhos.  Pode ainda explicar que a andorinha é um animal muito útil no combate a pragas: come uma quantidade enorme de insetos, sobretudo as moscas e mosquitos que podem estragar uma bela noite de verão.

 

Se estes argumentos não forem suficientes, ou se só souber da situação a posteriori, contacte o Serviço de Proteção da Natureza e Ambiente (SEPNA – GNR) através do telefone 808 200 520 para que atuem de imediato. Poderá também fazer uma denúncia através do e-mail sepna@sepna.pt.

 

 

Encontrei uma cria de ave no chão. O que devo fazer?

 

Encontrou uma cria no chão e tem a sensação que ela corre perigo. Este é um cenário que nos chega regularmente. Mas ao tentar ajudar, poderá  estar a pô-la em perigo. Em algumas espécies (ex: melro, pisco, coruja-do-mato) é normal as crias saírem do ninho antes da maioridade e os seus progenitores continuarem a cuidar delas, mesmo que estejam no chão.

 

Por isso, primeiro que tudo verifique se a cria já tem algumas penas formadas. Este é um importante indicador de que a cria terá saído do ninho por iniciativa própria e, mesmo que não o tenha feito, estará em condições de sobreviver com o auxílio dos progenitores. Nestes casos, se vir o ninho nas proximidades, deixe a cria onde a encontrou, ou num local perto que seja alto e seguro, já que os pais irão certamente ouvi-la e acabarão por ir buscá-la ou alimentá-la assim que sentirem que é seguro fazê-lo. Se verificar que a cria fica por muito tempo sem ser alimentada, apresenta sinais notórios de debilidade ou lesões; se não conseguir localizar o ninho, se não detetar os progenitores ou se se tratar de um local de grande movimento onde a cria esteja em risco, contacte o Centro de Recuperação mais perto.

 

Nunca mantenha uma ave em cativeiro, a posse de aves selvagens é punível por lei.

 

 

Encontrei uma ave marinha caída no chão

 

Em zonas costeiras, e sobretudo nas ilhas dos Açores e da Madeira, é frequente aves marinhas como a cagarra serem vítimas de encadeamento pela iluminação pública durante a noite.

 

Se encontrar alguma ave marinha com dificuldade de locomoção, deverá proceder da seguinte forma:

 

  1.  Aproximar-se lentamente e cobrir a ave com um pano, toalha ou casaco, tendo especial cuidado com o bico
  2. Agarrar na ave e colocá-la numa caixa de cartão com furos
  3. Contactar o SEPNA para avisar da ocorrência no caso de estar no continente ou ver qual o Centro de Recuperação mais próximo para entregar a ave. Caso não seja possível nenhuma destas situações e se a ave não estiver ferida, dirija-se à noite, a uma praia pouco iluminada e solte-a colocando a caixa no chão, próxima do mar.

 

Se encontrar um animal que tenha dado à costa, por favor preencha este formulário